Linha de Vida: Para que serve?

A Linha de Vida é um equipamento fundamental para a segurança dos colaboradores que atuam no Trabalho em Altura. Isso porque permite que o trabalhador se locomova em segurança mesmo que esteja a mais de dois metros de altura do chão. No entanto, o material não é utilizado somente nessas ocasiões. Alguns trabalhos de profundidade também exigem seu uso, como por exemplo nas atividades realizadas em túneis, escavações, poços, minas, entre outros.  

A verdade é que a Linha de Vida é imprescindível para que o trabalho seja realizado de maneira segura. Mas será que é um item obrigatório? Em quais ocasiões? Vemos que ainda são muitas as dúvidas que permeiam o assunto.

Por isso, no artigo de hoje, iremos procurar esclarecer todas elas! Portanto, se você tem alguma dúvida quanto à Linha de Vida e sua utilização, é só ficar atento à leitura. Depois, poderá compartilhar com seus colegas o que aprendeu. Aproveite!



O QUE É A LINHA DE VIDA? 



Linha de Vida é o nome dado à um sistema de ligação, que pode ser feito com cordas ou fitas, entre o cinto de segurança do trabalhador e um ponto de ancoragem. É considerado um Equipamento de Proteção Coletiva (EPC), uma vez que suporta mais de um colaborador simultaneamente. 



COMO É FEITA A INSTALAÇÃO?



Para que seja instalada, é preciso que seja feito um projeto com autoria de um Engenheiro, seja ele Civil, Mecânico ou outra especialidade parecida. É necessário que este profissional seja habilitado para realizar o dimensionamento da Linha de Vida, bem como recolher a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). 

Essa anotação fará com que o serviço de instalação seja de total responsabilidade do Engenheiro que projetou o serviço. A Linha de Vida deverá ser utilizada sempre que não for possível implementar outra barreira que impeça a queda dos trabalhadores de uma altura. 

Quando o trabalhador atua em alturas superiores a dois metros, cujo exista risco de queda, é obrigação do empregador fornecer cintos de segurança. Estes cintos deverão ser ancorados em algum determinado local para que possa proteger de fato o trabalhador de uma eventual queda ou acidente. Assim sendo, o ponto de ancoragem será o local onde a linha de vida estará presa. No entanto, existem Linhas de Vida verticais e horizontais, que você verá logo abaixo. Dessa forma, veja o nosso exemplo ilustrativo: digamos que o trabalhador está atuando em um telhado, e nesse telhado existem diversos olhais. Neste caso, os olhais que servirão como ponto de ancoragem. Isso porque eles retém a queda! Agora, se falarmos de uma linha de vida vertical, o trabalhador precisará, além do cinto, de um sistema de trava quedas, por exemplo. O cinto de segurança deve ser utilizado com um talabarte, um trava quedas ou um trava quedas retrátil, para que possa reter uma queda. É importante salientar que a Linha de Vida nem sempre será obrigatória ou até mesmo viável, dependendo da atividadePor este motivo, a Linha de Vida é um EPC que deve ser utilizado em conjunto com outras Medidas de Controle de Risco, bem como outros EPIs. 



ONDE É MAIS UTILIZADA? 



A Linha de Vida ou Linha de Segurança, como também é chamada, é muito utilizada principalmente na área da Construção Civil. No entanto, é indicada em alguns casos onde há a execução do Trabalho em Altura, ou seja, com mais de 2 metros acima do chão; Ou em algumas profundidades. 

Dessa forma, o sistema deverá ser empregado sempre que não existir outras maneiras de proteção coletiva contra queda. As atividades onde a Linha de Vida é mais utilizada definitivamente são feitas em altura. Como por exemplo, os trabalhos em telhados, arremates, manutenção e limpeza de fachadas, entre diversos outros. 



O que diz a NR 35



A NR 35 é a Norma Regulamentadora que determina as obrigações legais para a Segurança do Trabalho em Altura. Como a Linha de Vida é um EPC para este fim, é também regulamentado por esta NR. 

No parágrafo 35.5, vemos a definição de todos os Sistemas de Proteção Contra Quedas (Nova Redação dada pela Portaria MTE 1.113/2016). A utilização de cada um desses sistemas é obrigatória tanto para a segurança dos trabalhadores, quanto para evitar multas e processos judiciais futuros.



Segundo o item 35.5.2, os sistemas de proteção contra quedas deve:



- Ser adequado à tarefa a ser executada;

- Ser selecionado de acordo com Análise de Risco, considerando, além dos riscos a que o trabalhador está exposto, os riscos adicionais; 

- Ser selecionado por profissional qualificado em segurança do trabalho; 

- Ter resistência para suportar a força máxima aplicável prevista quando de uma queda; 

- Atender às normas técnicas nacionais ou na sua inexistência às normas internacionais aplicáveis;

- Ter todos os seus elementos compatíveis e submetidos a uma sistemática de inspeção. 



Além disso, o Sistema deverá consistir de no mínimo, um Sistema de Proteção Coletiva Contra Quedas – SPCQ (aqui entram as Linhas de Vida); e um Sistema de proteção Individual Contra Quedas (SPIQ). 

O SPIQ deverá ser implementado apenas quando houver impossibilidade de adoção do SPCQ; sempre que o SPCQ não oferecer uma completa proteção contra os riscos de queda; ou em uma situação de emergência. 



EM QUE CONSISTEM OS SPIQS? 



O Sistema de Proteção individual Contra Quedas pode ser de diversas maneiras. Segundo a NR 35, poderá agir como restrição de movimentação, retenção de queda, posicionamento no trabalho ou de acesso por cordas. Além disso, deverá ser composto por: 



- Um sistema de Retenção de Queda; 

- Um elemento de ligação;  



USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPIS). 



Seguindo corretamente o que diz a NR 35, bem como a NBR 16.325/2014 – Proteção Contra Quedas no Trabalho em Altura, o empregador estará proporcionando um ambiente seguro para seus colaboradores. Com isso, estará colaborando para reduzir os índices de acidentes de trabalho, e livrando sua empresa de multas e processos judiciais, 



E o PCMAT – NR 18? 



Empresas que se enquadrarem na obrigatoriedade de realização do PCMAT, deverão possuir um projeto de dimensionamento e de instalação da Linha de Vida. Esse projeto deverá compor o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria de Construção, já que é considerado um Equipamento de Proteção Coletiva. 



TIPOS DE LINHA DE VIDA



Podemos dividir as Linhas de Vida em quatro grupos: horizontais ou verticais; fixas ou móveis. Qual modelo é o mais adequado para o seu negócio dependerá apenas do tipo de atividade e da necessidade identificada pelos profissionais de Segurança do Trabalho. 

Entender como funciona cada uma delas é fundamental para conseguir tomar uma decisão que seja assertiva. Escolher o equipamento errado pode resultar em falsa segurança, o que expõe diretamente os colaboradores ao risco iminente de queda de altura. 



Veja abaixo os principais tipos de Linha de Vida.



- Linha de Vida Móvel (Horizontal ou Vertical)

Como o nome já diz, a Linha de Vida móvel não é fixa na obra, podendo assim ser montada e desmontada sempre que for necessário. Além disso, também é possível ser transportada de um lugar para o outro com facilidade e sem perder a segurança. 

Um ótimo exemplo de Linha de Vida móvel é aquela produzida com fitas e travas ajustáveis, muito utilizada em obras da construção civil. Em ambientes como este, a segurança deve estar lado a lado com os trabalhadores desde as primeiras atividades até o fim da construção 

Durante esse processo muita coisa muda dentro do canteiro de obras e, por isso, a Linha de Vida temporária acaba sendo uma ótima opção. Dessa forma, ela pode ser desmontada e remontada em diferentes ambientes dependendo da fase em que se encontram as atividades. 

As Linhas de Vida podem (e devem) ser personalizadas de acordo com a necessidade de cada ambiente. Por isso, podemos encontrar uma ampla variedade delas no mercado. Vamos ver abaixo alguns exemplos mais comuns: 



- Linha de Vida Horizontal Temporária: suporta até dois trabalhadores simultaneamente, sendo ideal tanto para a área da construção civil quanto a área naval. Consiste em um sistema horizontal, portátil, geralmente produzido com uma fita ou cabo de aço com sistema de travamento. 



- Linha de Vida Móvel LVM: essa Linha de Vida é geralmente produzida em aço e possui perfis tubulares. Pode ter até 7 metros de altura e ser transportada com rodízios. É muito utilizada para serviços de carga e descarga de caminhões, trens, etc.



- Linha de Vida Vertical com Corda: esse tipo de Linha de Vida possui um bastão telescópico com um gancho de ancoragem na extremidade. Com este gancho, conecta-se a um ponto de ancoragem (acima do trabalhador), que esteja fixado em uma estrutura. 



- Linha de Vida Fixa (Horizontal ou Vertical)

A Linha de Vida fixa é recomendada obras e atividades que não necessitarem de futuras alterações em suas estruturas. Dessa forma, a montagem é realizada uma só vez, pelo profissional responsável. Depois disso, não se mexe mais — a não ser que tenham que ser feitas manutenções.

Assim, você garante que a produção não seja interrompida por ter que mudar o sistema de lugar. Mas lembre-se: utilizar este modelo apenas quando tiver certeza de que o ambiente de instalação não sofrerá alterações de reposicionamento. 



Veja os tipos mais comuns de Linha de Vida Fixa que encontramos no mercado: 



- Linha de Vida Fixa Horizontal: sistema de proteção horizontal. Geralmente produzido com cabo de aço ou trilho metálico e pontos de ancoragem tanto no meio quanto nas extremidades. Pode ser utilizado por somente um ou mais colaboradores. É muito utilizado em telhados, silos, galpões, entre outros. 



- Linha de Vida Fixa Vertical: sistema de proteção vertical. Também composta por cabos de aço ou trilhos metálicos, com os mesmos pontos de ancoragem: no meio e das extremidades. Pode ser utilizado por um ou mais trabalhadores, e é muito recomendado em escadas marinheiro, escadas metálicas fixas, etc. 

Como qualquer dispositivo de segurança, é muito importante prestar atenção a todos estes detalhes antes de comprar um produto. Se precisar, conte com a orientação de confiança de especialistas no assunto que possam guiar você para uma boa decisão. 



ONDE COMPRAR UMA LINHA DE VIDA? 



Para comprar uma Linha de Vida você deve buscar uma Loja ou Distribuidor de EPIs/EPCs que seja da sua confiança. Isso porque você vai precisar de uma orientação, mesmo que ligeira, na hora de adquirir o produto. Por isso, deverá saber que pode contar com aquele vendedor.



Esperamos que tenha gostado da leitura! Se sim, compartilhe com seus colegas. A informação deve andar de mãos dadas com a Segurança do Trabalho, dentro da sua empresa.



Fonte: http://www.prometalepis.com.br 







Leia Também