Luva Antivibração: O Que É e Como Utilizar?

Os EPIs são importantes equipamentos para a segurança do trabalhador, pois protegem contra diversos tipos de risco. Assim é o caso do capacete, do calçado de segurança e, também, da Luva Antivibração que trataremos neste artigo. 

As Luvas de Segurança são um dos EPIs mais utilizados no Brasil, nos mais diversos setores. Para cada tipo de risco em que as mãos e punhos do trabalhador possam estar expostos, existe um tipo de luva diferente. A Luva Antivibração, por exemplo, como o próprio nome já diz, protege o usuário contra a Vibração Ocupacional. Este agente de risco está presente em muitas atividades, e pode trazer problemas sérios e graves para a saúde e integridade física dos colaboradores. Por isso, como todos os outros, este risco deve ser eliminado. Quando isso não for possível, então, deve ser minimizado. Afinal de contas, proporcionar uma rotina de trabalho segura é um dever do empregador. Bem como fornecer os EPIs adequados para cada atividade. 

No artigo de hoje, falaremos um pouco mais sobre a Luva Antivibração: o que é, como utilizar, quais as profissões onde são obrigatórias… Se você tem dúvida quanto à essas questões, fique atento e tenha uma boa leitura. 



O QUE É A LUVA ANTIVIBRAÇÃO?



A Luva Antivibração é um Equipamento de Proteção Individual que protege o usuário não só contra vibrações, como também contra agentes abrasivos, escoriantes, cortes e perfurações. É determinada pela NR 6, a Norma Regulamentadora que define cada um dos EPIs existentes no mercado. Ela é uma luva bastante robusta e resistente, para que absorva os impactos de vários tipos de vibração. Dessa forma, diminui a exposição do usuário ao agente de risco oferecendo proteção e, consequentemente, um trabalho mais produtivo. Para que ofereça a segurança a qual se propõe, é fundamental que a Luva Antivibração seja fabricada de acordo com as normas de segurança. Por isso, ela deve ser certificada pela EN ISO 10819/1996 e possuir o Certificado de Aprovação emitido pelo MTE. Geralmente é produzida em fibra sintética, com o revestimento todo em neoprene. Na palma da luva você vai ver diversos gomos feitos com o próprio material que servem justamente para absorver os impactos da vibração ocupacional. 



Por ser considerada um Equipamento de Proteção Individual, a Luva Antivibração é um item obrigatório. Por este motivo, o fornecimento deve ser feito por parte do empregador, que deve fazê-lo sem custo algum para o colaborador.  Esta luva, também conhecida como luva para marteleiro, é necessária em diversas atividades profissionais. E é isso que veremos no tópico a seguir! 



QUANDO SE DEVE UTILIZAR A LUVA ANTIVIBRAÇÃO?



A Luva Antivibração deve ser utilizada sempre que houver uma atividade que exponha o trabalhador a uma vibração localizada. A situação mais comum é para o manuseio de máquinas de compactação, britadeiras, brocas, ferramentas de polimento, entre outros. Por oferecer resistência contra a vibração e choques mecânicos das mãos e dos braços, também pode ser utilizada em chaves de impacto pneumática 3/4” ou 1”; desincrustador pneumático; operações de martelete rompedor; etc. 

Portanto, é um EPI obrigatório em todas as atividades que envolverem vibração ocupacional localizada nas mãos do trabalhador.  



O QUE É A VIBRAÇÃO OCUPACIONAL?



Vibração Ocupacional é como se chama um movimento oscilante em um determinado ponto fixo. A frequência deste movimento é medida pela quantidade de vezes que o mesmo se repete dentro de um segundo. Pode ser medida por Hertz [Hz] ou em ciclos por segundo. 

Será através da intensidade da vibração ocupacional que a Luva Antivibração deverá ser escolhida. Isso porque as consequências deste agente de risco no corpo do trabalhador dependerá de 4 fatores: 



1. Ponto de aplicação da vibração no corpo;

2. Frequência da vibração (ou seja, das oscilações dos ciclos);

3. Aceleração dessas oscilações;

4. Tempo de execução da atividade. 



Ou seja, sempre que houver vibração ocupacional, a Luva Antivibração deverá ser utilizada. Isso porque este agente oferece diversos riscos à saúde e segurança física dos trabalhadores. 



RISCOS DA VIBRAÇÃO OCUPACIONAL



Dentre os riscos mais comuns para a saúde dos trabalhadores, a vibração pode causar dores musculares; tonturas; dores abdominais; náuseas; enjoos; etc. No entanto, dependendo dos fatores que descrevemos acima, esses sintomas podem se agravar. Já foram confirmados casos de problemas no sistema nervoso; problemas cardíacos; problemas de coluna e até mesmo impotência sexual. Além disso, também já houve casos de pessoas que desenvolveram a Doença de Raynaud por não ter utilizado o EPI corretamente. A Doença de Raynaud é responsável por obstruir vasos e artérias, prejudicando a irrigação de sangue nas mãos. Essa doença, se não for tratada com cuidado e responsabilidade, pode causar até mesmo a necrose dos dedos, nos casos mais graves.  É para reduzir os riscos de Acidentes de Trabalho e Doenças Ocupacionais como essas que as Medidas de Controle de Risco são adotadas. Através delas, é possível medir os impactos dos equipamentos e maquinários, identificar e controlar cada um dos riscos. 

A última medida preventiva a ser tomada é a utilização de EPIs. Ou seja, depois que todas as providências já tiverem sido tomadas e, ainda assim, forem insuficientes, equipamentos como a Luva Antivibração deverão ser devidamente utilizados. 



O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO SOBRE A LUVA ANTIVIBRAÇÃO? 



Por ser considerada um Equipamento de Proteção Individual, a Luva Antivibração possui diversas regulamentações que devem ser seguidas. Desde o processo de fabricação, revisão, até mesmo colocar o produto à venda, tudo deve ser feito conforme a legislação. 

É válido recordar que o cumprimento de uma Normas Regulamentadora não desobriga o empregador de cumprir com as outras legislações que dizem respeito às atividades da empresa. 



NR 6 



Para começar, podemos mencionar a NR 6 – Norma Regulamentadora dos EPIs. Essa NR determina absolutamente tudo sobre os equipamentos de proteção. No Anexo I, inclusive, você encontra uma lista completa com todos os itens do mercado. 

No item F – EPI para Proteção dos Membros Superiores, você vê as Luvas de Segurança: 



F – EPI PARA PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES

F.1 – Luvas



a) luvas para proteção das mãos contra agentes abrasivos e escoriantes; 

b) luvas para proteção das mãos contra agentes cortantes e perfurantes; 

c) luvas para proteção das mãos contra choques elétricos;

d) luvas para proteção das mãos contra agentes térmicos;

e) luvas para proteção das mãos contra agentes biológicos;

f) luvas para proteção das mãos contra agentes químicos;

g) luvas para proteção das mãos contra vibrações;

h) luvas para proteção contra umidade proveniente de operações com uso de água;

i) luvas para proteção das mãos contra radiações ionizantes.



Isso torna a Luva Antivibração um item indispensável não só pela segurança do trabalhador, como pela segurança judicial da empresa. Isso acontece porque a NR 6 também determina que a utilização do EPI por parte do empregado bem como o fornecimento por parte do empregador são obrigatórios. Ou seja, o não cumprimento de qualquer item de uma Norma Regulamentadora acarreta em multas e processos judiciais. Sem mencionar os acidentes de trabalho e doenças ocupacionais que poderiam ser evitados se as NRs relacionadas fossem seguidas.  



ISO 10819:1996



Esta é uma Norma Europeia (EN) que indica se a Luva Antivibração passou pelas medições, análises e relatórios de transmissibilidade. Esses dados são fundamentais para  averiguar se o equipamento está apto para oferecer a segurança adequada. 

A frequência medida poderá variar de 31,5 Hz a 1250 Hz. 



COMO MELHORAR A SEGURANÇA DO TRABALHO? 



Além da Luva Antivibração, existem outras medidas de segurança que poderão ser adotadas para atenuar os riscos. Como exemplo, podemos citar a utilização de ferramentas com controle de impacto; períodos de repouso entre as atividades; massagens nos dedos e braços; entre outros.

Sempre vale ressaltar, também, que faz parte das obrigações da empresa orientar e treinar os funcionários. Tanto sobre as atividades que serão desenvolvidas quanto do maquinário que será utilizado, a informação deverá ser o pontapé inicial para a segurança de todos. 

Converse com os trabalhadores para que não coloquem mais força do que o necessário durante as atividades; que evitem o contato direto com a pele; mantenham a postura correta (se preciso utilizar a cinta ergonômica)… todo cuidado é fundamental para melhorar a qualidade de vida dos colaboradores. 

Realizar as manutenções periódicas nas máquinas e equipamentos de trabalho também é imprescindível para evitar acidentes. Além disso, esse hábito reduz a possibilidade de impasses que podem acabar aumentando a vibração. Quando necessário, também é importante empregar outros Equipamentos de Proteção Individual. A decisão de quais os itens serão utilizados deverá vir através da elaboração do PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 

Dentre os EPIs mais utilizados no mercado, estão o Capacete de Segurança; Calçado de Segurança; Óculos de Proteção; entre muitos outros. Cada um deles serve para atenuar um tipo de risco existente no ambiente de trabalho. 



CONCLUSÃO 



A Luva Antivibração é um Equipamento de Proteção Individual que serve para proteger o usuário contra vibrações ocupacionais. Assim sendo, ela é obrigatória sempre que houver a incidência deste agente de risco durante as atividades do colaborador. 

Para ter certeza de que está adquirindo um produto de qualidade, verifique sempre se o mesmo possui o Certificado de Aprovação (CA) e a aprovação do ISO 10819:1996. Busque sempre a orientação de especialistas em caso de dúvidas. 



Neste artigo você viu: 



- O que é a Luva Antivibração?

- Quando utilizar?

- O que é a Vibração Ocupacional?

- O que diz a legislação sobre a Luva Antivibração?

- NR 6

- ISO 10819:1996

- Como melhorar a Segurança do Trabalho?



Esperamos que você tenha gostado da leitura. Compartilhe com seus amigos e colegas!



Fonte: http://www.prometalepis.com.br







Leia Também